Loading...

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Chegamos ao Halloween

O Halloween é uma festa comemorativa celebrada todo ano no dia 31 de outubro, véspera do dia de Todos os Santos. Ela é realizada em grande parte dos países ocidentais, porém é mais representativa nos Estados Unidos. Neste país, levada pelos imigrantes irlandeses, ela chegou em meados do século XIX.
História do Dia das Bruxas
A história desta data comemorativa tem mais de 2500 anos. Surgiu entre o povo celta, que acreditavam que no último dia do verão (31 de outubro), os espíritos saiam dos cemitérios para tomar posse dos corpos dos vivos. Para assustar estes fantasmas, os celtas colocavam, nas casas, objetos assustadores como, por exemplo, caveiras, ossos decorados, abóboras enfeitadas entre outros.
Por ser uma festa pagã foi condenada na Europa durante a Idade Média, quando passou a ser chamada de Dia das Bruxas. Aqueles que comemoravam esta data eram perseguidos e condenados à fogueira pela Inquisição.
Com o objetivo de diminuir as influências pagãs na Europa Medieval, a Igreja cristianizou a festa, criando o Dia de Finados (2 de novembro).
Símbolos e Tradições
Esta festa, por estar relacionada em sua origem à morte, resgata elementos e figuras assustadoras. São símbolos comuns desta festa: fantasmas, bruxas, zumbis, caveiras, monstros, gatos negros e até personagens como Drácula e Frankestein.
As crianças também participam desta festa. Com a ajuda dos pais, usam fantasias assustadoras e partem de porta em porta na vizinhança, onde soltam a frase “doçura ou travessura”. Felizes, terminam a noite do 31 de outubro, com sacos cheios de guloseimas, balas, chocolates e doces.
Halloween no Brasil
No Brasil a comemoração desta data é recente. Chegou ao nosso país através da grande influência da cultura americana, principalmente vinda pela televisão. Os cursos de língua inglesa também colaboram para a propagação da festa em território nacional, pois valorização e comemoram esta data com seus alunos: uma forma de vivenciar com os estudantes a cultura norte-americana.
Muitos brasileiros defendem que a data nada tem a ver com nossa cultura e, portanto, deveria ser deixada de lado. Argumentam que o Brasil tem um rico folclore que deveria ser mais valorizado.

Thundercats O Filme - Legendado

Está chegando o filme dos Thundercats, ícones dos anos 80. Basta clicar no título para acessar.

Labyrinth - As The World Falls Down (David Bowie)

Maravilhoso clipe de fantástica música do filme Labirinto (basta clicar no título para ver o vídeo que também está em minha conta do youtube).

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Morre Steve Lee - vocalista do Gotthard

O mundo perdeu um dos seus maiores cantores de rock: O vocalista do Gotthard Steve Lee foi morto acidentalmente durante uma viagem de motocicleta nos EUA, na Interestadual 15 entre Mesquite e Las Vegas e morreu no local.
O vocalista do GOTTHARD havia voado para os EUA com alguns amigos motociclistas neste fim de semana para realizar um sonho há muito acalentado por ele, para o qual nunca tinha tido tempo devido aà sua agenda pesada de shows por muitos anos. Era para ser duas semanas através dos Estados sobre uma Harley-Davidson.
Os 21 bikers suíços começaram sua jornada no domingo, em um total de 12 motocicletas. Na terça-feira, 5 de outubro, cerca de 50 milhas de Las Vegas, o grupo parou na estrada para colocar equipamentos para chuva assim que havia começado a chover. Na estrada escorregadia, o reboque de um caminhão que passava começou a derrapar. O motorista tentou agir, mas seu reboque atingiu cinco das motocicletas estacionadas à beira da estrada. Uma delas bateu em Steve Lee. Os serviços de emergência tentaram a reanimação, mas os esforços foram interrompidos após 20 minutos. Às 16:13 (hora local), Steve Lee foi declarado morto.
Entre os passageiros estavam o baixista Marc Lynn, do GOTTHARD e a namorada de Lee, Brigitte Voss Balzarini.Todos os outros pilotos companheiros saíram ilesos.
Steve Lee tinha 48 anos.

Novo Transformers já está em produção

Nossos parceiros do Collider confirmaram hoje o título definitivo de Transformers 3. Será Transformers: The Dark of the Moon (aproximadamente "O lado oculto da Lua").
Na trama, Sam (Shia LaBeouf) tenta arrumar um emprego, mas é chamado de novo a salvar o mundo ao lados dos Autobots. A ameaça da vez, liderada por Shockwave, remonta à corrida espacial da Guerra Fria e envolve segredos de estado que nunca vieram a público. Rosie Huntington-Whiteley, John Turturro, Ken Jeong, John Malkovich, Patrick Dempsey, Josh Duhamel, Kevin Dunn, Julie White e Frances McDormand também estão no elenco.
Com orçamento estimado em US$ 200 milhões, Transformers: The Dark of the Moon estreia em 1º de julho de 2011 em 2D e 3D.

Mais de 60 mil aplaudem Bon Jovi em Sampa

Gritos histéricos. Fãs enlouquecidas. Juras de amor. Não, não estamos falando de Justin Bieber, Luan Santana ou do Restart. E sim de um senhor de quase 50 anos, que lidera uma das bandas de maior sucesso do planeta.
Jon Bon Jovi e seus companheiros fizeram a alegria de quase 60 mil pessoas que estiveram na noite de quarta-feira (6) no estádio do Morumbi, em São Paulo. Por três horas, a banda de Nova Jersey fez o que tem de melhor e o que os fãs queriam: tocou os velhos hits, sem arriscar a idolatria. Para quem gosta de se divertir, prato cheio.
Se a qualidade do som não foi tão boa (especialmente para quem estava na pista, do meio do gramado para trás), Bon Jovi não decepcionou seus fãs. Carismático, cantou, pulou, fez cara de colo e rebolou. Tudo acompanhado de choros, desmaios e gritos. O bonitão até arriscou palavras em português. “É bom estar de volta. Quinze anos depois, isso é embaraçoso. Poderíamos voltar aqui todos os anos”, declarou ao citar o último show no país, em 1994.
Aos 48 anos, Bon Jovi mostrou no palco montado no gramado do Morumbi muita vitalidade. Provou o que disse horas antes, em uma coletiva de imprensa no estádio paulistano. Questionado por uma repórter se não se achava velho, o cantor rebateu com bom humor: “Posso fazer tudo duas vezes, seja com mulheres de 60 anos ou garotas como você”.
O público deixou o Morumbi satisfeito com o que viu e escutou. Sem palcos mirabolantes ou show de pirotecnia. Um bom e velho rock n'roll. Com o charme e carisma de Jon Bon Jovi.